entrar  Esqueceu a senha?   ou 
Cadastre-se gratuitamente e tenha acesso ao conteúdo
 
destaque
Alcides Scaglia
Colunista Especial

 

É bacharel em Ciência do Esporte, licenciado em Educação Física, Mestre em Pedagogia do Esporte e Doutor em Pedagogia do Movimento, todos títulos concedidos pela Faculdade de Educação Física da Universidade Estadual de Campinas - Unicamp.

Desenvolve estudos na área da Pedagogia do Esporte e Educação Física escolar (é co-autor do livro "Educação como prática corporal" editado pela Scipione), a partir do referencial teórico da teoria do jogo e da complexidade.

Em 2003 finalizou uma trilogia de estudos sobre a pedagogia do futebol em que, ainda na graduação, sistematizou uma metodologia para o ensino do futebol, publicada no livro "Pedagogia dos Esportes", organizado pela professora Vilma Nista Picollo e publicado pela Editora Papirus.

Já no mestrado investigou através de entrevistas com ex-jogadores de futebol (atuais professores de escolinhas) o modo como esses jogadores aprenderam a jogar futebol, para depois comparar como esses profissionais ensinam as crianças atualmente em suas escolas de futebol.

No doutorado aprofundou os estudos na perspectiva da Teoria do Jogo, comparando as semelhanças entre o futebol e os jogos/brincadeiras de bola com os pés, coadunando com a produção de uma teoria sobre o padrão organizacional sistêmico da Família dos jogos de bola com os pés.

Em 2003 fundou a Ong - Associação futebol Arte (AFA) em parceira com um grupo de pensadores e pesquisadores na área de pedagogia e treinamento de Futebol. Associação esta que construiu uma metodologia própria para a aprendizagem e desenvolvimento do futebol privilegiando o jogo e a formação de jogadores de futebol inteligentes, aplicando-a com sucesso na equipe do Paulínia FC.
 
É colaborador voluntário da Universidade do Futebol desde a sua fundação.

Em relação à dimensão profissional é docente do curso de Ciências do Esporte na Faculdade de Ciências Aplicadas (FCA) da UNICAMP, onde coordena o Laboratório de Pedagogia do esporte e estudos avançados sobre o Jogo.
Coluna
Como desenvolver o projeto Copa do Mundo nas escolas
Atividades interdisciplinares podem contribuir, de maneira extrovertida, para a formação dos estudantes
23/06/2010

Adicionar aos favoritos
Adicionar aos favoritos

Como os professores podem aproveitar o tema Copa do Mundo em suas disciplinas? Quais disciplinas podem abordar o assunto?

Para tentar responder estas simples questões, gostaria de iniciar esta crônica partindo do pressuposto de que a copa do mundo é um tema interdisciplinar, posso dizer que todas as disciplinas podem abordar o tema. E para isto seria interessante o desenvolvimento de uma teia (rede) de conhecimentos que pudesse abastecer um projeto.

Assim sendo, vejamos alguns ilustrativos pequenos exemplos, pois poderíamos ter muitos, dependendo do ano (idade dos alunos) em que se estará trabalhando a teia do projeto interdisciplinar:

Por exemplo:

EDUCAÇÃO FÍSICA - poderia se discutir o conceito copa do mundo, sua história, principais ídolos ao longo dos tempos, esquemas táticos, gols fantásticos, gols duvidosos, curiosidades... Seria interessante o desenvolvimento de uma simulação de copa entre a turma, onde os alunos seriam divididos nas seleções e jogariam uma mini copa, no formato de torneio interclasses, ou mesmo somente dentro das turmas, simulando uma mini copa do mundo, sendo que também cada equipe poderia apresentar uma pesquisa sobre o país que está representando...

MATEMÁTICA - poderia se construir gráficos de desempenho do próprio campeonato citado acima, ou mesmo coletar dados das várias Copas e brincar de explorá-los, descobrindo o que os números podem dizer sobre a história das Copas. Ou, até mesmo, poderia se aprender a controlar e atualizar uma tabela.

PORTUGUÊS - poderia se trabalhar com vários livros sobre futebol, ou mesmo com as maravilhosas crônicas de Nelson Rodrigues, ou mesmo do inesquecível Armando Nogueira. Também se poderia trabalhar com textos jornalísticos, biografias de ex-jogadores como Mané Garrincha, Pelé... Ou até mesmo, na produção de textos informativos, ou no formato de crônicas esportivas, a partir da mini Copa desenvolvida pelos alunos na escola. Logo eles simulariam ser jornalistas, tanto da imprensa escrita, como da televisiva (a partir da filmagem de entrevistas com a própria câmera dos celulares)...

BIOLOGIA - junto com o professor de Educação Física, poderia se desenvolver com os alunos mais velhos as questões sobre fisiologia (ou biologia) do exercício, a partir de temas como: suor, a influência do calor e da altitude, os limites do corpo, as questões do inato e do adquirido, ou mesmo um controle, por meio de pesquisas simples, sobre o gasto calórico dos alunos durante a disputa da mini Copa do Mundo na escola...

HISTÓRIA - a relação entre revolução industrial e a gêneses do futebol (período de esportivização), a história das Copas e suas relações políticas e econômicas ao longo dos tempos. A influência dos ditadores nas Copas, em especial de Mussolini na Copa de 34... Ou mesmo, pensando nos alunos menores, contar as histórias das Copas, fazendo relações com os contextos de tempo, ou seja, o que estava acontecendo no mundo durante a copa de 1930...

GEOGRAFIA - a geografia dos países: onde se localizam, qual a língua, costumes, características culturais marcantes. Ou mesmo, semelhanças e diferenças entre os países que irão se confrontar quer na Copa ou na mini Copa do Mundo escolar...

ARTES - as cores dos países, seus uniformes, mascotes, bandeiras, ou mesmo a construção de símbolos que representem as seleções da mini Copa escolar...

Ao final desta crônica pedagógica posso dizer que as possibilidades de aplicação e desenvolvimento de um projeto com estas características seriam infinitos, pois depende exclusivamente da criatividade dos professores e das relações que se estabelecem entre eles, suas disciplinas, os alunos e seus anseios.

Portanto, posso dizer que as vantagens de trazer a discussão sobre a Copa do Mundo e, obviamente, o futebol popular para a sala de aula é impar, pois poderia dizer que a discussão não é apenas vantagem, e sim necessidade, devido ao fato de que se isto não acontecer o futebol continuará a ser o maior veículo de alienação e dominação servil deste imenso país.

Para interagir com o autor: alcides@universidadedofutebol.com.br  

Tags: educaçao física , história , interdisciplinaridade , arte , fisiologia , copa do mundo , escolas de futebol

UNIVERSIDADE NO FACEBOOK

©2013 Universidade do Futebol