entrar  Esqueceu a senha?   ou 
Cadastre-se gratuitamente e tenha acesso ao conteúdo
 
destaque
Geraldo Campestrini
Colunista

Bacharel em Ciência do Esporte pela Universidade Estadual de Londrina (2004); Especialista em Gestão e Marketing Esportivo pelo Instituto Catarinense de Pós-Graduação (2006); Mestre em Gestão do Desporto pela Faculdade de Motricidade Humana, Universidade Técnica de Lisboa de Lisboa-Portugal (2009); e Doutorando em Educação Física pela Universidade do Estado do Rio de Janeiro, com estudos voltados sobre o impacto econômico de equipes, arenas e eventos esportivos em suas regiões de abrangência (desde 2013).

Bolsista da "Havelange Scholarship" em 2008 - Bolsa de Estudos oferecida pela FIFA para pesquisas na área do futebol através do International Centre for Sports Studies (CIES). Realizou, naquela ocasião, estudo sobre a prática da Responsabilidade Social na formação de atletas para o futebol em clubes brasileiros, resultando na redação e coautoria da Carta Internacional de Responsabilidade Social na Formação de Atletas para o Futebol - CIRESPFUTE 2009.

Foi Supervisor das Categorias de Base no Joinville Esporte Clube nos anos de 2005 e 2006; técnico de futsal no Sporting Clube de Portugal (2007); Professor do Curso de Educação Física da UNIVILLE (Universidade da Região de Joinville) nas disciplinas de "Planejamento e Administração Esportiva", "Comunicação e Marketing Esportivo"; Sócio-fundador da Associação Brasileira de Gestão do Esporte (ABRAGESP); Consultor na Brunoro Sport and Business para projetos especiais ligados a clubes, entidades de administração, organismos públicos e empresas que investem em esporte.

É Sócio-Diretor da Inspire Sport Business e está cumprindo mandato de Presidente da Associação Brasileira de Gestão do Esporte (2013-2015).

Defensor de novas práticas visando a profissionalização da gestão do esporte em todas as suas vertentes.

Coluna
Atmosfera do evento esportivo
Produzimos bons artistas, mas que se apresentam em um “palco” pouco digno para as suas reais qualidades
02/05/2012

Adicionar aos favoritos
Adicionar aos favoritos

A inspiração desta semana vem da Uefa Cup de Futsal, torneio organizado pela entidade máxima do futebol europeu com os principais clubes do velho continente, que terminou no último fim de semana com o título do Barcelona diante do Dínamo do Moscou.

Acompanhando um dos jogos semifinais entre Barcelona e Sporting de Portugal, me saltou aos olhos a atmosfera criada pelo jogo. E é a isso que chamamos de espetáculo esportivo, em que se valoriza sobretudo o artista (jogadores) e a consequente qualidade do jogo.

Os americanos são reis em criar a tal atmosfera esportiva e, por conta disso, lideram todos os índices de faturamento de suas principais ligas. A Europa passou a perseguir os mesmos pressupostos, com os estádios de futebol tendo uma nova configuração para atender especialmente o torcedor-consumidor e ressaltar a dinâmica do jogo, que vem desde um gramado de extrema qualidade até o estudo da iluminação e distância das arquibancadas para que tudo se comunique de forma uníssona e perfeita.
 


O voleibol no Brasil tem perseguido esta excelência para a criação de uma atmosfera esportiva desde que determinou em seu regulamento que o visual do piso de jogo deveria ter o desenho exclusivo da modalidade, com cores e publicidade padronizada, fato este que transformou completamente a relação entre jogo, público e televisão.

No entanto, quando olhamos para o futebol e o próprio futsal no Brasil, percebemos certo descaso em relação ao ambiente dos jogos. Produzimos bons artistas, mas que se apresentam em um “palco” pouco digno para as suas qualidades.

A lógica de faturamento sobre o espetáculo esportivo está nos recursos provenientes dos fãs da modalidade. A TV e os patrocinadores pagam a conta porque as pessoas têm interesse no evento, ou seja, se o público acompanha, minha marca será melhor percebida.

E é nesta linha que clubes e associações que promovem a prática do esporte devem olhar seu produto. Que a Copa 2014 seja um marco para que os clubes percebam o potencial de geração de receitas provenientes dos torcedores e, consequentemente, melhorem a oferta de serviços e a apresentação do espetáculo esportivo nos próximos anos.

Para interagir com o autor: geraldo@universidadedofutebol.com.br

Tags: planejamento estratégico , negócios , investimento , tv , comunicaçao , indústria do futebol , gestao de futebol , evento , torcida , uefa

UNIVERSIDADE NO FACEBOOK

©2013 Universidade do Futebol